7 indícios que mostram que na verdade Jon Snow fundou uma startup.

1 – Tudo começou no final da temporada passada, na famosa Batalha dos Bastardos. Jon recuperou Winterfell e virou “Rei do Norte”, com todo mundo dando muita moral pro cara que havia feito tanto. Mas será que fez mesmo? Como bem lembrou Sansa no último episódio, quem ganhou a Batalha dos Bastardos foram os cavaleiros do Vale. Um detalhe que Jon Snow não coloca no currículo quando se apresenta como Rei do Norte, quando sai por aí provando nosso indício número 2:

2 – Com seu novo cargo de “Rei do Norte”, Jon Snow passa muito mais tempo dando palestras e pedindo financiamento por aí do que realmente gerenciando o Norte. Clásssico startupeiro.

3 – Apesar de precisar de financiamento (e de um exército), Jon Snow não aceita dobrar o joelho. Ele viu algo que ninguém viu. Ele sabe que todos aqueles gestores dos sete reinos têm o MINDSET limitado e ultrapassado. Mas financiamentos não aparecem tããããão fácil assim. O pessoal quer ver provas de todo esse discursinho. O pessoal quer saber onde estão essas hordas de milhões de whitewalkers. Jon resolve então que vai mostrar 1 (um) whitewalker.

Jon-Snow-jon-snow-33984949-1152-1000

A fotinha em p&b pro linkedin e o cabelinho de empreendedor moderninho ele já tem

4 – Aí na hora de trabalhar, a parte do “Precisamos de um exército” é facilmente substituída por uma equipe de 12 caras. O próprio Jon Snow, um adolescente filho do rei que acha o Jon Snow o máximo, um cara mais velho renegado pela estrutura vigente e que finge acreditar na nova estrutura porque quer pegar a rainha novinha, um cara que claramente tem problemas de relacionamento interpessoal e que por isso ainda não conseguiu se firmar em nenhum emprego e oito outros caras que acham se embebedar no trabalho a maior diversão e acreditam firmemente em discuros religiosos, messiânicos e pirotécnicos.

5 – Quando o trabalho aperta, ninguém parece saber o que está fazendo. A galera se fode e precisa passar um tempão estagnada na mesma tarefa. Sem ilusões de que irão resolver sozinhos, o funcionário mais junior (óbvio) tem que sair correndo pra buscar a financiadora da porra toda, que é obrigada a intervir diretamente e no processo perde um bem de grande valor.

6 – O barco está afundando. A derrota é iminente. Todos estão saindo do projeto no lombo (literalmente) dos recursos fornecidos pela financiadora. Mas Jon não. Jon fica. Ele ainda tem providências para tomar sozinho. Ou pelo menos é o que todo mundo acha, porque já não tem mais ninguém olhando. A verdade é que a hora que a coisa apertou para Jon, apareceu um parente mais experiente, mais preparado, com mais senso de responsabilidade e uma estrutura de emprego formal e salvou a pele dele.

7- Jon não enxerga o que aconteceu como um fracasso, já está chamando a financiadora de apelidinho, baixando a bola e justificando que agora sim que ele precisa mesmo de mais financiamento e apoio. Mesmo tendo dado quase de graça um de seus principais recursos pra concorrência.

Temporada que vem Jon Snow vai aparecer dando aula de empreendedorismo em alguma escola de criatividade hispter, anota aí.

Anúncios

Curiosidade do dia

Conviver com as contradições do cotidiano pode ser muito desafiador para pessoas que gostam de ter respostas prontas e de simples entendimento para tudo. No Brasil então, isso é mais desafiador ainda. Aqui a gente convive com coisas tipo a candidata evangélica do Miss Bumbum (juro, pode procurar) e – assunto em destaque pelo menos até Outubro – as eleições, onde você é OBRIGADO a exercer seu DIREITO DEMOCRÁTICO ao voto.

É nessas horas que você tem que escolher um cadidato. Mesmo porque votar nulo é algo não muito bem visto pelos cidadãos conscientes (pessoalmente, eu acho que existem dois tipos de pessoa no Brasil: as que fazem freela no RH da Odebrecht de 4 em 4 anos pra ajudá-los a escolher seus despachantes… e as que votam nulo). Mas voltando:

Você tem que escolher um candidato. E aí você começa a se informar, a conversar com seus amigos a respeito e a escutar e ler o que dizem os formadores de opinião (pessoalmente, eu acho que para avançarmos como sociedade a figura do “formador de opinião” precisa urgentemente morrer e todo mundo que trabalha com comunicação tem obrigação de ajudar a matar). Mas voltando:

Você tem que se informar. E como vivemos em uma bela sociedade livre onde a informacão circula, você começa a produzir, consumir e compartilhar informação. E é aí que a coisa fica confusa, principalmente para quem não consegue conviver bem com as contradições do cotidiano e precisa de respostas prontas e de simples entendimento para tudo. Pensando nisso, este blog lança a sessão curiosidade do dia, com um fato divertido e uma explicação fácil para te ajudar a consumir informaçães que aparecem por aí.

voceSabia

VOCÊ SABIA:

Que posição política não é torcida e entrevista não é jogo?
Por isso, toda vez que você diz que candidato X “ganhou” a entrevista, quem perde é você.

Um abraço e até a próxima!


ENTENDA PORQUE O GALO É O MAIOR TIME DO PLANETA

fael-2001

Pesquisa aponta que o Galo é foda.

 

Uma pesquisa realizada na manhã de hoje apontou o Clube Atlético Mineiro, campeão da Recopa Sul Americana na noite de ontem, é o maior time do planeta.

A pesquisa levou em consideração as recentes conquistas do clube, o fato de que seu goleiro deveria ser titular absoluto do Seleção se a CBF quiser que alguém leve aquele time a sério e o fato de sua torcida ser absolutamente incrível.

O levatamento foi feito por este blog, que entrevistou três atleticanos. 100% concordaram com a afirmação.

 

E você? Não concorda? Achou a notinha parcial? Tudo bem.

 

Só te peço então pra refletir antes de compartilhar vídeos e textos “para entender o conflito no Oriente Médio” que tenham sido postados no facebook por federações israelitas.

Uma campanha para manter os argumentos de torcida restritos às discussões sobre futebol. E para manter a sanidade.

 


12 motivos pelos quais eu prefiro conviver com um viciado em crack do que com um viciado em política

1- O viciado em crack é menos paranóico.

2- O viciado em crack não acha que todo e qualquer fato é motivo para ele falar de crack. Por exemplo, você não vê o viciado em crack dizendo: “o cara que quebrou o Neymar joga de vermelho?! A culpa é do crack!”

culpapt2_0

3- Se sua família tem um viciado em crack, você pode interná-lo e nunca mais precisar ouvir ele falando de crack nas festas de família.

4- O vício em crack já é considerado um problema de saúde pública.

5- Sempre que existe a oportunidade, viciados em política fazem sexo oral (metaforicamente) nos responsáveis por seu vício. Sempre que existe a oportunidade, viciados em crack fazem sexo oral (de verdade) nos responsáveis pelo seu vício. Todo mundo sabe que sexo oral real é melhor que sexo oral metafórico.

6- O viciado em crack tem o cérebro menos afetado.

7- Viciados em política conseguem ficar horas babando e gritando. Viciados em crack dormem depois de 15 minutos.

8- Onda de crack não deixa a pessoa pedante.

9- Viciados em crack vendem o computador pra sustentar o vício, logo não podem entrar no facebook para escrever bobagem sobre o seu vício.

10- Viciados em crack não conseguem pagar de inteligentes para outros usuários de crack cujo cérebro já foi mais afetado pela droga.

11- Viciados em política sentem uma necessidade imensa de relativizar, justificar em empurrar a culpa quando corrupção e negligência derrubam um viaduto. Viciados em crack se contentam em morar debaixo do viaduto.

12- Viciado em  crack reconhece que tem um problema quando acorda da viagem alucinógena todo fudido e cagado.


O amor vence tudo

… ou Pequenos divertimentos cotidianos da vida de uma pessoa sarcástica – Edição especial Tumblr Tá avisado

(Para conhecer o que motivou essa interação peculiar, visite taavisado.tumblr.com agradecimentos especiais à Thiemi – http://okaholic.com/ – , sem a qual não seria possível ter recebido vários emails com críticas pertinentes e construtivas).Mail1

 

Mail2Mail3Mail4


Dá o play, macaco!

Eu ouvia a frase que intitula este texto de segunda a sexta, mais ou menos às seis e meia da noite, todos os dias que chegava da escola pra ver desenho animado tomando toddynho. A frase era dita por um ator mirim do programa Disney Cruj. A sigla “Cruj” quer dizer “Comitê Revolucionário Ultra Jovem”, expressão que eu depois comecei a usar para designar jovens de coração bom criados tomando toddynho e vendo desenho que queriam mudar o mundo a partir das ações mais estapafúrdias. Enfim, um apelido (tipo o “esquerda caviar” criado pelo Rodrigo Constantino, só que sem a prepotência e o embasamento pseudo teórico), ou seja, só um apelido.

Sabe o que mais foi considerado “tipo um apelido” recentemente?

Chamar os outros de macaco. Tá na fala do idealizador da campanha #somostodosmacacos na entrevista da Veja, olha só: “E decidimos trabalhar a ideia de que a melhor maneira de acabar com o preconceito é tirar a força dele e fazer com que a pessoa não repita o ato. É como um apelido. Quanto mais bravo você fica, mais ele pega. Foi aí que criamos #somostodosmacacos.”

E sabe o que eu penso de tudo isso?

Que eu avisei, revolucionários ultra jovens. A culpa dessa presepada é muito de vocês.

Quando TUDO passa a ser considerado preconceito, violência simbólica, ou o que quer que seja, NADA passa a ser. Relativizar sem refletir dá origem a esse tipo de comportamento que só serve para emburrecer discussões sérias.

Cantada equivalendo a estupro.

Aplaudir os invasores do Instituto Royal que fizeram justiça com as próprias mãos pra um mês depois repudiar quem amarrou o menor no poste… porque fez justiça com as próprias mãos.

Nunca ter sido atingido pelo peso da palavra “macaco” e tirar foto com uma banana (uma banana!) para protestar contra o racismo.

Pessoalmente, eu detesto comportamentos inclusivos demais na mesma medida que detesto comportamentos exclusivos demais, porque ambos são ignorantes. Ambos excluem um processo de aceitação de diferença, de ponderação, de criação de raciocínio crítico. Ambos são hipócritas.

Refletir sobre as próprias contradições (e aceitar algumas delas sem apedrejar) é a melhor maneira de evoluir. Afinal #somostodosmacabros


Custo / benefício

A evolução gastou milhares de anos para moldar o organismo humano na máquina de inteligência cognitiva mais perfeita já conhecida.

Os primeiros representantes dessa nossa espécie gastaram outras centenas de anos aprimorando uma forma de linguagem eficiente.

Gutemberg e sua turma gastaram algumas décadas aprimorando uma maneira de transmitir as informações criadas por essa linguagem de maneira massiva.

Guimarães Rosa utilizou o maravilhoso invento de Gutemberg para trazer até nós um verdadeiro tratado linguístico absolutamente formidável.

E por fim seus pais gastaram mais alguns anos acompanhando seus infindáveis para-casa no esforço de te alfabetizar.

 

Por favor, lembre-se do esforço de todos esses seres humanos antes de ir pras redes sociais utilizar a escrita para reverberar textos de briguinha entre Gregório Duvivier e Rodrigo Constantino.